Eros e a alma ferida

Eros e a alma ferida

Laudeci Amoêdo Saldívia

A proposta deste ensaio é estudar, partindo do mito, o impulso arquetípico de Eros em sua função de agregar, unir e relacionar, não só os sexos, mas todos os fatores que nos atraem, unindo mundo externo e mundo interno, e que nos mantém em perpétuo movimento psíquico. Compreendê-lo como força geradora de vida, mas também em sua natureza sombria que seria responsável por nossas patologias.

Deixe um comentário